Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco
 

Destaques do MPPE

05/11/2019 - A discussão é atual e necessária. O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 ao resgatar a campanha institucional Palavras Têm Poder trouxe à visibilidade para 3,9 milhões de participantes, no último domingo (03/11), o debate sobre o exercício da liberdade de expressão e a responsabilidade em relação à produção de informação, visando coibir violações de direitos humanos nos meios de comunicação e redes sociais. Lançada em 2014, a campanha do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ― em parceria com o Centro de Cultura Luiz Freire, Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Pernambuco, Centro Popular de Direitos Humanos, ONG Dialógica e a Universidade Católica de Pernambuco ― fomenta a discussão sobre democracia e comunicação, dois elementos indissociáveis no Estado Democrático de Direito.

A campanha, para além da divulgação, tem objetivo educativo com a promoção do diálogo com a sociedade em geral e com profissionais e estudantes de jornalismo, saindo do âmbito ministerial para encontrar seu espaço exatamente onde se produz as informações, por meio de conversas com os futuros jornalistas, promovendo o debate com os profissionais e, ainda, pelo compartilhamento nas redes sociais. Inclusive, continua contado com a participação civil na fiscalização e denúncias de informações e mensagens que desrespeite os seus direitos, agora através do Disque-MP 127 e dos demais canais da Ouvidoria da Instituição.

Criada a partir de uma provocação da sociedade, — quando uma representação de uma cidadã foi protocolada no MPPE por causa de matérias sensacionalistas e de incitação à intolerância religiosa, à homofobia, entre outros casos, por alguns meios de comunicação à época, bem como por cidadãos no uso das redes sociais ―, a parceria entre os diversos órgãos e instituições desta campanha segue em desdobramentos até os dias atuais, com o ingresso de mais atores, a exemplo da Universidade Federal de Pernambuco e outras ONGs que atuam na proteção ao direito à informação.

Essa parceria já rendeu visitas às redações dos Jornais para construir esse diálogo participativo; acordos entre os veículos de comunicação; convite ao cineasta gaúcho Jorge Furtado para debater, no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, o documentário O Mercado de Notícias, que reúne falas de profissionais experientes dos principais meios de comunicação nacional sobre o papel da mídia, ética e democracia.

Em continuação, no próximo dia 13 de novembro, será realizado um seminário no Centro Universitário Joaquim Nabuco (Uninabuco) com a promoção de duas mesas de debates sobre os temas: Mídia sem violações; e Ética e direitos humanos no ensino de Comunicação Social. De acordo com o 8º promotor de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos da Capital, Maxwell Vignoli (quem provocou a campanha e mobilizou os parceiros), o próximo caminho que vem sendo elaborado é a criação de um comitê para acompanhar as mídias com representantes das universidades e ONGs que atuam na proteção do direito à informação. A ideia é, a partir da interlocução e participação democrática, se construir um entendimento coletivo que equilibre o direito à informação, a liberdade de expressão e a responsabilização.

Sobre a campanha – A instauração de inquérito civil na 8ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos da Capital deu ensejo para a construção da campanha institucional Palavras Têm Poder, toda criada pela Assessoria de Comunicação Social do MPPE, sob a supervisão e aprovação também dos diversos parceiros, que também contribuíram com a produção das peças, além de desenvolverem as ações paralelas do projeto.

Para a analista de publicidade do MPPE Andréa Corradini, “o conceito Palavras Têm Poder resume o objetivo da campanha: as palavras são poderosas e mobilizam ideias e atitudes. Então, cada pessoa que produz um conteúdo, seja para a mídia ou para seus perfis de redes sociais, está convidada a refletir: que tipo de informação estou propagando? Minha mensagem respeita os direitos humanos? Hoje, tanto a mídia quanto os cidadãos são produtores de conteúdo, e o conceito busca sensibilizar sobre a responsabilidade ao se emitir uma mensagem, especialmente se o conteúdo viola os direitos humanos”.

O designer do MPPE Leo Dourado, também colaborador da construção da campanha, destacou que por se tratar de um tema importante para o exercício da cidadania, “a campanha sugere uma reflexão sobre o direito de se receber uma informação correta, imparcial e não discriminatória. Além de tocar no tema da liberdade de expressão, como um elemento de transformação social, mas que deve ser usado com sabedoria e muita responsabilidade”.

*Questão do Enem sobre a campanha compôs o caderno de linguagens e suas tecnologias.


 

Destaques Notícias


Veja todas as Notícias
Diário Oficial
Diário Oficial
Diário Oficial
Consulta de Licitações
publicidade consulta licitação
Consulta de Licitações
Consulta Processual
publicidade consulta processual
Consulta Processual
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Transparência SIC
Publicidade Transparência SIC
Portal SEI!
Portal SEI!
Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco