Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco
FacebookTwitter
 

Destaques do MPPE

FISCAL DA LEI! DEFENSOR DA DEMOCRACIA

O Ministério Público de Pernambuco, fiscal da lei e defensor dos direitos coletivos e individuais indisponíveis.

Aguinaldo Fenelon de Barros
Procurador-Geral de Justiça
 


A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 129, incumbiu ao Ministério Público a defesa da ordem jurídica, dos interesses sociais e individuais indisponíveis e do próprio regime democrático. O Ministério Público não está incluído em nenhum dos três poderes da Nação. O artigo 127 trata o órgão como autônomo e independente, essencial à função jurisdicional do Estado, com atribuições específicas. A instituição está inserida no capítulo das Funções Essenciais à Justiça.

Por não se encontrar entre os poderes da Nação, tem-se a idéia de um quarto poder. Entretanto, não foi assim que o legislador o definiu, apenas lhe deu atribuições específicas e significativas para que seus agentes - Procuradores e Promotores de Justiça - pudessem exercê-las com independência e autonomia, características semelhantes às da Magistratura.

Como fiscal da ordem jurídica, o Ministério Público não se subordina a qualquer poder ou juiz, agindo de acordo com sua consciência e com os ditames da lei, pois só a esta se subordina na qualidade de fiscal da ordem jurídica. A instituição tem como chefe o Procurador Geral de Justiça, e goza dos mesmos direitos e garantias atribuídos na Constituição aos magistrados. (artigos 95 e 128, I, da Constituição Federal).

Em seu artigo 127, § 2º, assegurou à instituição ministerial autonomia funcional e administrativa, podendo propor , na forma do artigo 169 da Constituição, a criação e extinção de seus cargos e serviços auxiliares, provendo-os por concurso de provas e títulos e dispor de sua organização através da Lei Orgânica.

Em decorrência da autonomia conferida pela Constituição Federal, a Procuradoria Geral de Justiça vem exercendo a atribuição proposta em lei. O exercício dessa autonomia nos impõe, mais do que a elaboração de anteprojetos, a capacidade da articulação para a sua aprovação pela Assembléia Legislativa e a sanção pelo governador do Estado, tarefas estas que fogem da rotina dos membros do Ministério Público, habituados apenas a interpretação, aplicação e fiscalização da lei. Foi longa e difícil a tramitação do projeto de criação do quadro administrativo próprio e em seu resultado são visíveis as modificações introduzidas.

A instituição do Ministério Público foi organizada conforme determinou a Constituição Federal no seus artigo 128, § 5º, que diz: “Leis Complementares da União e dos Estados, cuja iniciativa é facultada aos respectivos Procuradores Gerais, estabelecerão a organização, as atribuições e o estatuto de cada Ministério Público, observados relativamente a seus membros”. Disso decorre a denominação de Lei Orgânica do Ministério Público. Em Pernambuco, esta lei é a Lei Complementar nº 12, de 27 de dezembro de 1994, que “dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público de Pernambuco”. Posteriormente, foi publicada a Lei Estadual nº 11.375, de 8 de agosto de 1996, que estrutura os órgãos de apoio técnico e administrativo do Ministério Público de Pernambuco.
 

Compartilhe nas suas Redes Sociais

Consulta de Licitações
publicidade consulta licitação
Consulta de Licitações
Consulta Processual
publicidade consulta processual
Consulta Processual
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Transparência SIC
Publicidade Transparência SIC
Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco