Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco
 

Destaques do MPPE

30/03/2020 - Em comunicado conjunto, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público do Tribunal de Contas de Pernambuco (MPTCE-PE), a Defensoria Pública da União (DPU), o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), a Defensoria Pública do Estado (DPE) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE) reforçam a importância da manutenção das medidas de prevenção, recomendadas pela comunidade científica de saúde, para conter o avanço do novo Coronavírus (Covid-19) em território pernambucano.

As instituições lembram que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou o isolamento domiciliar, medida cuja eficácia foi testada e aprovada em diversos países para diminuir a curva ascendente de contágio.

“Com o isolamento, ainda se ganha tempo precioso para a preparação de estruturas de combate à pandemia. Esse tempo pode ser a diferença entre ter mais leitos de UTI, respiradores e máscaras e não tê-los; entre descobrir um tratamento eficaz e não fazê-lo”, alerta o comunicado.

O texto traz que as medidas de segurança pela saúde pública, impostas pela Lei Federal nº 13.979/2020 e, por consequência, os Decretos Federal nº 10.282/2020 e Estadual nº 48.809/2020, são embasadas em argumentos científicos e seguem prática reconhecida por outros países no enfrentamento da doença.

“Se tais medidas não forem cumpridas fielmente pela população, é inevitável que os já assustadores registros de mais de 4 mil infectados e 140 óbitos (conforme números do Ministério da Saúde) continuem a crescer exponencialmente. É o que indicam as projeções de diversos estudos científicos nacionais e internacionais”, previnem as instituições em conjunto.

No mundo, já são mais de 700 mil infectados e mais de 34 mil mortes, segundo a OMS. “O isolamento é recomendado como forma de não disseminar o vírus e de evitar o colapso do sistema de saúde, por isso as autoridades públicas orientam a população para só sair de casa nos casos de real necessidade; não lote supermercados, feiras livres e farmácias; evite aglomerações de qualquer tipo; e reforce as medidas de higiene, uma vez que a transmissão ocorre de um contato próximo por meio de secreções ou por meio de superfícies contaminadas”, adverte o texto do comunicado.

As instituições reconhecem a preocupação daqueles que tiveram o sustento prejudicado pela quarentena: “O prejuízo deve ser combatido com intervenção estatal para suprir as necessidades dos cidadãos - seja com pacotes de estímulo econômico, seja com ampliação de políticas de renda mínima – e não com a ilusão de que é possível o retorno à normalidade, sem assumir o risco de milhões de mortes em curto prazo. Aos poucos, é possível compatibilizar a atividade econômica com os cuidados sanitários”.

Os membros do MPF, MPPE, MPT e do MPTCE-PE; do Judiciário federal e estadual de Pernambuco; membros do TCE-PE; e da Defensoria da União no Recife e a do Estado de Pernambuco também garantem que permanecerão atuantes e atentos à defesa dos direitos e à preservação da vida dos cidadãos pernambucanos.

“O momento recomenda ouvir a voz lúcida da comunidade científica mundial: fiquem em casa para preservação de vidas”, finaliza o comunicado.

Imagem acessível: retângulo com ilustração do coronavírus tem sobrepostos os dizeres Instituições defendem medidas de prevenção ao Coronavírus. Acima, tarja vermelha com Comunicado Conjunto. Acima, a logomarca do Coronavírus criada pelo MPPE

 

 

30/03/2020 - Como o Conselho Tutelar é de suma importância para que os direitos de crianças e adolescentes sejam cumpridos, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou aos prefeito de Água Preta e Xexéu manter o atendimento do órgão sem interrupção parcial das atividades, a fim de evitar a precarização do trabalho e prejuízo da comunicação de fatos graves às autoridades sobre violações que ocorram contra crianças e adolescentes.

Assim, as duas Prefeituras devem adotar providências para que, em caso de trabalho remoto/regime de plantão não presencial, tal circunstância seja clara e amplamente divulgada aos moradores, especialmente com afixação de cartazes nas sedes do Conselhos Tutelares, das Prefeituras e demais órgãos do sistema de garantia de direitos, informando aos cidadãos todas as formas de comunicação disponíveis: sites das Prefeituras, os números de todos os telefones funcionais dos conselheiros tutelares, o telefone da coordenação e os e-mails funcionais.

Também deve ser amplamente divulgado o fluxo para recebimento das demandas, priorizando-se, no período, às relacionadas com o Covid-19, de forma a evitar prejuízo ao atendimento de urgência da população.

Os conselheiros tutelares devem seguir trabalhando de forma remota em seus domicílios, conforme rodízio a ser estabelecido. O atendimento presencial ocorrerá somente em casos urgentes como, por exemplo, em situações de maus-tratos, abuso sexual e outras formas de violência, bem como situações de saúde que demandem pronta atuação de conselheiros.

Diante da necessidade de o trabalho ser presencial, a promotora de Justiça Vanessa de Araújo recomendou que o poder público disponibilize veículo para atendimento, bem como condições adequadas de segurança às atribuições desenvolvidas, como, por exemplo, fornecimento de álcool em gel 70%, máscaras de uso pessoal e descartáveis, luvas e outros insumos da mesma natureza. E ainda a implantação de serviço de limpeza contínua da sede do Conselho Tutelar.

Por fim, na hipótese de afastamento temporário ou definitivo de algum integrante do Conselho Tutelar por motivo de licença médica, o órgão deve convocar imediatamente suplentes em quantidade necessária para a manutenção do serviço.

 

30/03/2020 - Pela suspensão das aulas e atividades escolares por causa da pandemia do Coronavírus, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou às Secretarias de Educação dos municípios de Paulista, Feira Nova, Joaquim Nabuco, Arcoverde e  Sanharó que apresentem quais atividades extraescolares serão implementadas, com base na Resolução do Conselho Estadual de Educação nº 03/20, que orienta as instituições de ensino a planejarem tais atividades para o alunado no período de distanciamento social.

O Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Defesa da Educação (Caop Educação) divulgou a resolução do Conselho entre os promotores de Justiça justamente para informar que devem existir atividades que ofereçam conteúdos programáticos de disciplinas, matérias e componentes curriculares fora da sede da instituição de ensino, de forma a integralizar a matriz curricular.

As atividades poderão ser realizadas por tecnologias não presenciais, em tempo real ou não e em regime de acompanhamento pedagógico especial.

O acompanhamento e a avaliação das atividades extraclasse caberá ao professor responsável pela ministração dos conteúdos. A avaliação ou verificação dos processos de ensino e aprendizagem serão mensurados no retorno do funcionamento das aulas presenciais.

Assim, as Secretarias de Educação devem esclarecer qual medida será adotada, se por meio de tecnologia não presencial ou por meio de acompanhamento pedagógico especial, segundo concepção própria, ou ainda, se serão adotadas as medidas cumulativamente (a oferta de ensino não presencial, mediada por tecnologia em tempo real ou não). Precisam ainda apresentar planejamento de reposição das aulas, quando do retorno das atividades escolares.

Outro ponto é que sejam tomadas as providências necessárias e suficientes para assegurar o cumprimento dos dispositivos da LDB, em termos de parâmetros organizativos das atividades escolares e execução de seus currículos e programas, em especial os artigos 24 (cumprimento dos 200 dias de efetivo trabalho escolar, bem como da carga horária mínima anual de 800 horas na Educação Básica) e 47 (cumprimento dos 200 dias de trabalho acadêmico efetivo na Educação Superior). E também que no exercício de sua autonomia e responsabilidade na condução dos respectivos projetos pedagógicos, respeitando-se os parâmetros legais estabelecidos, os estabelecimentos de ensino proponham formas de reposição de dias e horas de efetivo trabalho escolar, submetendo-as à aprovação do correspondente órgão normativo e de supervisão permanente do seu sistema de ensino.

A reorganização do calendário escolar deve ocorrer em todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, sendo feita com a participação dos colegiados das instituições de ensino, notadamente, dos professores e da equipe pedagógica e administrativa do estabelecimento, bem como de alunos e seus familiares e demais setores envolvidos na organização das atividades escolares.

Precisa se assegurar o processo de reorganização dos calendários escolares que a reposição de aulas e atividades escolares que foram suspensas possam ser realizadas de forma a preservar o padrão de qualidade previsto no inciso IX do artigo 3º da LDB e inciso VII do art. 206 da Constituição Federal.

Com o restabelecimento do funcionamento das instituições de ensino, cessarão as atividades extraordinárias, retomando-se as atividades escolares normais.

Imagem acessível: retângulo com fotografia de garoto com lápis na mão escrevendo em caderno e olhando pre frente, com mão no queixo, tem sobrepostos os dizeres Atividades escolares para período de aulas suspensas. Acima, tarja vermelha com Quarentena. Acima, logomarca criada pelo MPPE para o assunto Coronavírus

30/03/2020 - A Procuradoria Geral de Justiça e a Corregedoria Geral do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) mantêm, por meio do Aviso conjunto PGJ CGMP nº03/2020, a atuação em especial regime diferenciado de teletrabalho até o dia 8 de abril. O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) reforça o canal Ouvidoria, disponível para a sociedade demandar junto à Instituição, neste período de quarentena.

Neste período de 30 de março a 8 de abril, os servidores escalados para realização das atividades presenciais urgentes estão dispensados do deslocamento até as respectivas sedes do MPPE, devendo permanecer exclusivamente em regime de teletrabalho. As referidas atividades presenciais urgentes foram disciplinadas no artigo 5º da Portaria conjunta PGJ CGMP nº001/2020, bem como regime diferenciado de teletrabalho.

A manutenção do regime de teletrabalho do MPPE acompanha a decisão do Tribunal de Justiça do Estado, que prorroga, em caráter excepcional, até o dia 8 de abril, a suspensão do trabalho presencial, no âmbito do Judiciário.

Atendimento ao cidadão - A Ouvidoria, o canal entre o cidadão e a instituição, disponibiliza vários meios de acesso. Telefônico: Disque 127, das 12h às 18h; o celular (81) 9.8816.0221, das 8h às 14h. No site do MPPE, o cidadão tem a opção do assistente virtual Audivia ou o formulário eletrônico. Nas redes sociais, o MPPE mantém um perfil no Facebook: @ouvidoria_mppe.


Imagem acessível: retângulo com fotografia de mãos trabalhando em laptop sobre uma mesa tem sobrrepostos os dizeres Manutenção do teletrabalho e dispensa dos servidores das atividades presenciais urgentes. Acima, tarja vermelha com Aviso Conjunto PGJ e CGMP 03/2020. Acima, logomarca para o tema Coronavírus

28/03/2020 - O procurador-geral de Justiça do Ministério Público de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros, publicou neste sábado, a Recomendação PGJ n.º 16, que dispõe sobre a impossibilidade de que os gestores municipais determinem a reabertura do comércio local ou qualquer outro ato administrativo que vá de encontro à Lei Federal n.º 13.979/2020 e, por consequência, os Decretos Federal n.º 10.282/2020 e Estadual nº 48.809/2020 e suas alterações.
 
Caso os gestores descumpram as medidas sanitárias, principalmente as medidas de quarentena, o município poderá sofrer intervenção estadual. “Todos os entes e diversos órgãos estão ensejando tentativas de contenção da pandemia da Covid-19. E, além disso, tem chegado ao conhecimento do Ministério Público de Pernambuco que alguns prefeitos promovem movimentos de flexibilização, ou até mesmo de descumprimento, das normas restritivas emanadas das autoridades sanitárias no âmbito federal e estadual. Assim estamos expedindo essa recomendação, alertando, principalmente, sobre as penalidades que podem decorrer do descumprimento”, disse o procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros, no texto da recomendação.
 
Os promotores de Justiça de todo o Estado, principalmente aqueles que têm atuação na defesa do Patrimônio Público, por delegação da Procuradoria-Geral de Justiça, foram orientados a notificar os prefeitos em suas respectivas localidades, sobre o conteúdo da Recomendação exarada.
 
Além de adotar as providências necessárias para que sejam cumpridas em todos municípios do Estado as normas sanitárias federais e estaduais, promovendo, inclusive, medidas administrativas ou judiciais. O promotor de Justiça pode solicitar, inclusive, reparação dos danos materiais, caso seja criado ônus financeiro ao Sistema Único de Saúde (SUS), decorrentes do descumprimento.
 
A recomendação foi encaminhada aos promotores de Justiça de todo o Estado e também para a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) para que seja dada ampla divulgação aos gestores municipais. “O afrouxamento das normas de quarentena impostas pelo Estado de Pernambuco, sem qualquer estudo técnico, poderá colocar em risco o sucesso das ações de enfrentamento da pandemia, vindo a provocar não só a falência do sistema de saúde pernambucano,  como muitas vidas perdidas”, reforçou o PGJ no documento.
 

Subcategorias

Assessoria Técnica Administrativo Disciplinar;

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Veja todas as Notícias
Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco